Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Há horas assim

Livro em construção

Livro em construção

Há horas assim

11
Jun15

Coq au vin

correspondente

Há uns anos largos fui parar às Caldas num fim-de-ano. O “evento” era na casa de um casal amigo da minha irmã. Era um jantar “esticado”, mais ou menos, até à meia-noite e, depois dos “festejos”, os convidados partiam para outras paragens ou ficavam mesmo por ali. Era uma questão de escolha. A “organização”, leia-se o casal anfitrião, tinha aquilo tudo muito bem organizado (passe a redundância), quer em termos de “comes e bebes”, quer no modo como nos recebeu, como recebeu e “acomodou” os seus convidados. Não me lembro se era necessário levar alguma coisa, alguma bebida ou alguma coisa para o jantar, mas creio que não, que estava tudo assegurado pela “organização”. Nós, eu, a minha irmã e o meu cunhado, como vínhamos de mais longe, para além desse final de dia e noite, iriamos ficar ali em casa, ainda mais dois ou três dias, o fim-de-semana inteiro.
O jantar, o convívio, correu de tal modo de forma agradável, que depois da meia-noite, a maior parte dos convidados optou até por ficar por ali.
Lembro-me de dois ou três episódios curiosos dessa passagem de ano, por exemplo, com tanta gente interessante nesse jantar, à mesa, fiquei em frente a um colega de profissão, hoje se me perguntarem acerca da conversa tão “profícua” que eu tive com esse convidado, uma conversa de tesoureiros, não poderei elucidar muito acerca da mesma, mas que foi “profícua”, lá isso deve ter sido. E o filme que a dada altura nos posemos a ver? No qual, por mais de uma vez, os advogados não eram muito bem tratados, onde, por exemplo, o protagonista perguntava aos seus advogados como tinham sido capazes de o trair e eles, com uma enorme cara-de-pau, lhe respondem pura e simplesmente, não entendendo o espanto do cliente: “Somos advogados!”. Isto perante uma assistência, lá em casa, maioritariamente de advogados acabados de sair do “forno”!
Mas onde entra aqui o coq au vin? O título desta história entra pela porta, como não podia deixar de ser, entra pela porta, dentro de um enorme tacho e pelas mãos de um casal convidado.
- Eu sei que não era preciso trazer nada, mas a minha mãe insistiu e mandou este “tachão” para o nosso jantar, “obrigou-me” a trazer alguma coisa e, eu não lhe quis fazer a desfeita! Teve tanto trabalho!
Disse a jovem do casal.
Ao jantar, é bem possível, que entre outras iguarias, o coq au vin tenha sido servido. Não me lembro. Mas que o coq au vin, durante o resto desse fim-de-semana, nos perseguiu, disso não tenho eu grandes dúvidas.
- Então o que vamos almoçar?
- O que temos para o jantar?
- O que há aí para o pequeno-almoço?
A resposta a estas perguntas era invariavelmente a mesma.
- Parece que ainda há ali um resto de coq au vin.
Até hoje nunca mais comi coq au vin!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub